O QUE É DTM?


A DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM) é uma doença pouco conhecida e, por mais curioso que pareça, a maioria dos provedores de saúde tanto da área médica quanto da área odontológica a desconhecem. Muitos ainda acreditam que as DTMs tenham origem em causas anatômicas tais como assimetrias faciais, falta de dentes, dentes tortos entre outras. Algumas dessas teorias têm origem há mais de 100 anos. Apesar de que, com o passar do tempo ficou comprovado que não são mais verdadeiras, muitos ou por falta de estudo ou por conveniência de várias naturezas insistem em tratar seus pacientes tentando corrigi-las. Esses tipos de tratamentos geralmente são invasivos, irreversíveis, de longa duração, caros e na maioria das vezes resultam em insucesso.

ATENÇÃO: NÃO SE TRATA DTM!

Cirurgias são de rara indicação (menos de 1% dos casos). Se você teve algum procedimento cirúrgico indicado, seja cuidadoso. Sempre pergunte qual a porcentagem de melhora após a realização da mesma. Qual é a sua garantia de sucesso: 10%, 20%… ou 90%? Exija essa resposta e pergunte sobre a literatura que suporta esse procedimento. Não aceite mais os “eu penso” ou “eu acho”. Achar e pensar não condizem com a sua saúde e muito menos com a qualidade de vida que você merece.

MAS AFINAL, O QUE É DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR (DTM)?


ATM significa articulação temporomandibular. Esta articulação é responsável por todos os movimentos que você faz com a boca, existindo uma em cada lado (em frente de cada orelha) clique aqui. As doenças desta articulação e dos músculos que fazem esses movimentos da boca são chamadas de disfunções temporomandibulares (DTM). Esta é uma doença que causa sofrimento a milhões de pessoas ao redor do mundo, diminuindo a qualidade de vida e restringindo o convívio social. Um dos sintomas mais comuns da DTM são: dificuldade ou estalidos ao abrir a boca, não conseguir abrir ou fechar a boca e dores de cabeça mais de duas vezes por semana. Muitos pacientes apresentam este sintoma e não sabem que possa ser causado pela DTM.

DORES DE CABEÇA?


Algumas das dores de cabeça são de origem muscular e dos músculos que fazem os movimentos da boca e às vezes as áreas que as geram ficam em locais distantes das áreas que as mesmas são sentidas. Esse mecanismo de dor muscular é chamado de dor miofascial e os pontos doloridos que originam essa dor a distância (dor referida) são chamados de pontos-gatilho miofasciais. Esse é um mecanismo muito interessante e responsável por muitos erros de diagnóstico pois a dor se manifesta num local onde não há nenhum problema. Ela só se manifesta lá mas a sua origem está a distância.

 

FORMAS DE TRATAMENTO


Embora se trate de uma doença que possa causar muito desconforto durante anos, o tratamento para esta doença, quando bem diagnosticada, não apresenta maior dificuldade. Com uma avaliação clínica bem realizada, que conste de técnicas específicas de diagnóstico, o especialista em DTM irá explorar e analisar de uma maneira ordenada as queixas do paciente, e por fim recomendará o controle necessário não só na sua área, como também será feito o encaminhamento do paciente para outros profissionais.

Geralmente o controle das DTMs é simples e conservador, feito por meio de terapias caseiras, exercícios, compressas, relaxamento muscular. Na maioria dos casos é necessária a interação de uma equipe transdisciplinar para o melhor entendimento e condutas específicas nas áreas de: fonoaudiologia, neurologia, psicologia, reumatologia, otorrinolaringologia, endocrinologia. O especialista em DTM deve estar apto a diagnosticar todas as dores orofaciais, tratando as que estejam relacionadas à sua área de atuação e encaminhando o paciente quando o tratamento demandar a intervenção de outro profissional de saúde. Só após a avaliação conjunta e simultânea nesses casos, será realizada a terapia.
SINTOMAS MAIS COMUNS QUE O PACIENTE PODE APRESENTAR
Dor de cabeça de um ou ambos os lados da cabeça mais de dois dias por semana;
Um “clique” ou sensação de desencaixe ao abrir ou fechar a boca;
Dor ao bocejar, ao abrir muito a boca ou ao mastigar;
Boca que “fica presa”, trava ou sai do lugar;
Cansaço na face ou ao mastigar;
Alteração no modo em que os dentes superiores e inferiores se encaixam – mordida desconfortável;
Ranger ou apertar dos dentes noturno /diurno;
Alguns tipos de zumbido nos ouvidos;
Dor ou tensão no pescoço referindo dor para a face ou cabeça.